Correspondente bancário – Recomendação sobre mensagens de pagamento

Veja aqui
Recomenda-se que os correspondentes bancários decidam individualmente qual
a forma de pagamento que melhor atende às suas necessidades e de seus
clientes e acordem com os demais bancos envolvidos a forma a ser utilizada. As
partes interessadas relevantes (ou seja, o Wolfsberg Group e o Payments Market
Practice Group (PMPG)) são convidados a revisar seus princípios que regem os
casos de uso para mensagens de pagamento, como as diretrizes de práticas de
mercado e white papers do PMPG.
Os documentos devem incluir informações sobre os dados que devem constar
nas mensagens de pagamento, bem como os campos de dados que devem ser
usados para fornecer informações relevantes para a realização de due diligence
do cliente. Além disso, a AMLEG é convidada a considerar o desenvolvimento
de orientações sobre o papel dos supervisores para garantir que os bancos
cumpram as recomendações do GAFI e orientações sobre a qualidade do
conteúdo das mensagens de pagamento.
Recomendação sobre o uso do LEI como informação adicional em mensagens
de pagamento: O uso do LEI como informação adicional em mensagens de
pagamento deve ser possível de forma opcional nas mensagens de pagamento
relevantes atuais. Para permitir o uso opcional do LEI, as partes interessadas
relevantes (por exemplo, o PMPG) devem trabalhar para definir uma prática de
mercado comum sobre como incluir o LEI nas mensagens de pagamento
relevantes atuais sem alterar a estrutura da mensagem atual. Além disso, como
parte de uma possível migração futura para formatos de mensagem baseados
no padrão ISO 20022, as partes interessadas relevantes (ou seja, ISO e SWIFT)
são incentivadas a considerar o desenvolvimento de códigos ou itens de dados
dedicados para a inclusão do LEI nessas mensagens de pagamento.